A vida muitas vezes é assim: temos sonhos, corremos atrás deles, enfrentamos os obstáculos. Talvez, para que esse sonho tenha chance de se tornar realidade, tivemos de estudar quatro anos ou mais em uma faculdade, passar noites em claro estudando para provas e, uma vez formados, começa outra  saga: a de buscar uma oportunidade para concretizar esse sonho, seja ele conquistar um emprego, começar um negócio ou oferecer um serviço. Muitas vezes, esse sonho tem o propósito de transformar a realidade.

Se um dia seu sonho foi ser educador para fazer uma diferença positiva no mundo, nós já temos algo em comum 😊

E tenho certeza: não somos os únicos. Segundo os censos educacionais Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em 2017 éramos 2,5 milhões de professores no Brasil. E não estaria errado apostar que a maioria escolheu a profissão por amor, aspirando contribuir para a construção de uma sociedade melhor… e isso é precioso!

Entretanto, a vida vai passando. Pode ser que você tenha a sorte de contar com uma infraestrutura que lhe ofereça tudo o que precisa para dar uma boa aula. Pode ser que não. Pode ser que seus estudantes se sintam amados e acolhidos por suas famílias e cheguem na escola prontos para aprender. Pode ser que você receba alunos sem o mínimo de preparo. Pode ser que você tenha uma relação de amizade e carinho com seus pares e superiores. Mas pode ser que, infelizmente, não seja assim.

Com tantas possíveis adversidades, pode ser que aquele ideal de professor que você sonhou anos ou décadas atrás tenha se enfraquecido e se tornado nada mais que isso: um sonho de outros tempos, do qual nos lembramos apenas algumas vezes, como um livro esquecido em alguma prateleira, que com o tempo vai ficando coberto de pó.

E, sinto muito colocar assim de uma maneira tão direta, mas…  a maioria (se não a totalidade) das situações desfavoráveis que enfrentamos são circunstâncias externas a nós, sobre as quais não temos controle. Na melhor das hipóteses, nosso poder de influência sobre elas existe, mas eventualmente é limitado.

Começo de ano é um período de rever prioridades e, por que não, sonhar de novo. Se o desejo de impactar positivamente as crianças e adolescentes da sua vida ainda estiver aceso, mesmo que seja uma fagulha tímida, encarar de frente nosso pouco controle das situações externas pode ser desanimador.

A boa notícia é que há nosso mundo interno e, dentro dele, um amplo campo para cultivarmos habilidades como presença, atenção, amorosidade e bondade. E isto sim está 100% sob nosso controle. Ao cuidarmos do nosso mundo interno, fortalecendo essas qualidades, estamos em uma posição muito melhor para lidar com as circunstâncias externas, sejam elas quais forem.

Para nos ajudar nesta tarefa de cultivar um mundo interno mais feliz e para estarmos melhor preparados para lidar com as adversidades, existem práticas milenares como a meditação da bondade amorosa, cuja eficácia vem sendo demonstrada pela ciência.

Emma Seppala, Diretora Associada do Centro de Compaixão e Altruísmo da Universidade de Stanford, reuniu em um artigo 18 benefícios baseados em evidência científica da prática da bondade amorosa. Conheça alguns deles:

– diminui emoções aflitivas e aumenta as positivas

– melhora bem-estar

– nos torna mais resilientes

– ativa empatia e aumenta a compaixão

– reduz pensamentos autodepreciativos

– é efetiva mesmo em pequenas doses

Cuidar do nosso mundo interno e do nosso bem-estar coloca-nos em uma posição muito melhor para lidar com todas as adversidades de uma maneira mais habilidosa.

Se não temos controle de tudo que nos acontece, pelo menos, temos nesta e em outras práticas um apoio para sermos, como disse Mahatma Gandhi “a mudança que queremos ver no mundo” ou, em outras palavras, “o educador que sonhei ser”.

Quer experimentar a meditação da bondade amorosa? Este é um áudio guiado de meditação da bondade amorosa, parte do programa de Capacitação de Professores em Meditação para Sala de Aula da MindKids.